Minha foto
Aracaju, Sergipe, Brazil
Sou uma terapeuta ericksoniana; trabalho com Psicoterapia Breve, utilizando, sob medida para cada pessoa, técnicas de Hipnose e Arteterapia. Sou também doula: acompanho gestantes durante o pré-natal, parto e pós-parto. Qualquer dúvida e interesse, entre em contato! Terei o maior prazer em poder ajudar. :)

domingo, 27 de novembro de 2011

ParCeria


Diante do surgimento de diferentes formatos de relacionamento, nas diferentes classes e culturas de nossa sociedade, não podemos mais falar de um padrão único de família, união e casamento. Há várias formas legítimas de estar junto; entretanto, essas novas possibilidades não excluíram velhos problemas, como a tradicional tendência de um – ou ambos os lados – anular sua identidade para se tornar um casal.

Esquece-se da própria individualidade para se tornar um “nós”, que vai para os programas conjuntos, que tem aquele grupo de amigos, que come em determinados lugares, que assiste certos tipos de filme, vivendo assim a vida de um terceiro ser inexistente. 

Na verdade existem dois indivíduos diferentes, mesmo que semelhantes. O que provavelmente torna a união mais interessante, não?!

Observe como agem parceiros de dança: para fazer os mesmos passos utilizam, no mesmo tempo, espaços diferentes. E o que um faz é diferente do que faz o outro, mas eles sincronizam seus movimentos: enquanto um coloca a perna direita para a frente, o outro coloca a perna esquerda para trás; quando um balança pra um lado, o outro balança para o outro e, assim, curiosamente, ambos vão na mesma direção... Há um encaixe; estão fazendo a mesma coisa, sem fazer.

No contato, vão se apoiando mutuamente, dando base para a realização de passos mais complexos. Mesmo quando se soltam dançam juntos, conectados pelo olhar ou simplesmente pela intenção de estar, complementando o outro na sua liberdade de movimentos.  

Parceiros de dança compartilham a alegria do que cada um está fazendo “sozinho”, porque estão acompanhados um do outro. No desenrolar da música, algumas partes se tocam, outras não... Às vezes apenas seguram as mãos e isso é tudo o que precisam para continuar. O ritmo é um só, mas cada um encontra seu jeito de dançar junto

Camila Sousa de Almeida

2 comentários:

  1. Belíssimo texto Camila! Esse blog faz jus ao nome ^^ E eu amo visitar sempre! Xero no coração S2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, obrigada! ^^ Volte sempre! =D Beijos

      Excluir

Related Posts with Thumbnails